Editorial

Dsnort:”Trabalhamos nesse cenário muitas vezes cruel que é o da música autoral”

Essa foi uma das frases do vocalista da banda Dsnort em nossa entrevista. Infelizmente, a caminhada no rock autoral tem sido dura para muitas bandas, com muito trabalho e pouco incentivo, mas felizmente acreditamos que isso está mudando devido a possibilidade de se estar em rede.  Você pode conferir porque afirmamos isso nesse link aqui.

Você talvez esteja se perguntando “mas de onde é que veio esse nome?”. A gente explica: a Dsnort era o antigo apelido da banda Dsnorteados, lá de Leopoldina, na zona da mata mineira. O modo de chamar o grupo ficou tão popular que após um tempo acabou se transformando na marca oficial.

A história dessa semana é sobre a Dsnort, essa banda autoral que desde 2010 vêm angariando fãs por onde passa. O estilo deles é o resultado de uma mistura de influências, como o Rock, o SKA, o Punk Rock, o Samba, o que muitas muitas vezes se torna até difícil classificá-lo.

Poderia se dizer que é uma banda de rock, como também poderia se dizer que é tudo, menos uma banda de rock — como gostam de afirmar eles. As influências da banda vão desde Luiz Gonzaga à Max Cavalera!

Conheça os trabalhos da banda

O primeiro trabalho oficial da banda composta por Ricardo Ribeiro (voz), Alex Badaró (guitarra), Danilo Assis (baixo) e Felipe Pacheco (beteria) foi lançado em 2015. Um resultado de altíssimo nível, trabalho muito profissional que inevitavelmente gerou  uma enorme satisfação para a Dsnort, que teve o seu lançamento rodeado de amigos e familiares.

Depois disso, eles ainda lançaram um webclipe e recentemente uma Live Session. Confira:

Obrigado por participar de nossa coluna semanal, banda Dsnort! A gente se amarrou no som de vocês e espera que a caminhada seja mais leve daqui pra frente. Podem contar conosco para qualquer apoio e incentivo! Estamos juntos!

Se você também se amarrou no som dessa galera, é só entrar em contato nos links abaixo!

Facebook da Banda

Instagram da Banda

Youtube da Banda

Email: dsnort.official@gmail.com

Telefone: (32) 98420-0855 Ricardo Ribeiro

Padrão
Empreender na Música

Entenda como trabalhar em rede pode unir o cenário do rock

Dia desses eu estava vendo uma live do Rick Bonadio no facebook e uma das coisas que ele disse é que o “cenário do rock deve se unir”. E a melhor maneira de fazer isso nos dias de hoje, na minha opinião, é a partir do trabalho em rede.

O modelo de trabalhar em rede é a tendência para todos os tipos de arranjos sociais que imaginamos, desde a estrutura de uma empresa até o modo como reivindicamos algo a um representante do governo — principalmente quando buscamos transformação social.

Mas o que isso significa na prática?

Bom, se pararmos para pensar, o cenário do rock brasileiro é underground. Isto é, a maior parte das bandas autorais não estão no mainstream. Essa é a nossa realidade e isso tem um poder enorme de movimentar as economias locais. Formar uma rede que una essas forças é mobilizar todo um cenário, porém atuando de forma pontual — cada um em seu quadrado. rs

Temos que mudar o paradigma de que só existe rock no grande mercado ou só existem bandas de rock quando elas aparecem na televisão. É o contrário, são justamente as bandas locais que fazem a diferença e que têm o poder de inspirar as pessoas próximas e modificar uma cultura.

Desta forma, a força de um projeto não está concentrada em um ÚNICO órgão ou dirigente, mas em toda a rede, e por isso, tem maior chances de se tornar sustentável a longo prazo.  

Desde o início foi assim que o Rock Startup trabalhou. Por isso, separei 4 motivos que confirmam que trabalhar em rede pode unir o cenário do rock:

1. Gerar Valor e novas oportunidades

Quando estamos conectados por uma rede, temos uma grande força e por isso, fatalmente novas oportunidades podem surgir — beneficiando todo o conjunto. Por exemplo, aqui em Belo Horizonte, é bem difícil uma banda underground encontrar espaço nas casas mais requisitadas da cidade. Com a força da rede, aumentamos em muito as chances de conseguir esse espaço para tocar.

O mesmo acontece no momento de conseguir que o governo olhe para um nicho da sociedade, neste caso, bandas de rock autoral. Se existe toda uma comunidade dando apoio, a chance de conseguir incentivos do governo e até mudanças em leis que possam ser primordiais para que a cena aconteça é bem maior.

Isso aconteceu com o San Pedro Valley, a comunidade de startups de Belo Horizonte, que por terem criado uma marca e uma mapa que que unia essa rede, conseguiram que o governo de Minas visualizasse a demanda e criasse um setor de aceleração e investimento nessas empresas.

2.Troca de experiências

Além disso, uma das grandes forças de uma rede são os canais de comunicação. E elas só podem existir desta maneira que estamos falando, pois a internet foi criada. É a partir dela que bandas do brasil inteiro podem estar conectados e trocar experiências diversas.  

3.Troca de informação

Outra vantagem é no momento de tirar algumas dúvidas ou pedir informações sobre a cena de determinada cidade. Imagine que a sua banda tem um planejamento de fazer uma mini turnê pela região sudeste do país e para isso você precisa saber quem são as bandas e produtores de cada cidade que sua banda pretende tocar, para que seja possível viabilizar os shows.

Isso se compartilha livremente em uma rede forte, porque cada um entende que ser colaborativo e compartilhar esse tipo de informações vai fortalecer todo o nicho e, portanto, vai tornar a cena rica para todos, inclusive para a própria banda que nunca conseguiria erguer uma cena sozinha, por melhor que ela seja.

4.Incentivo mútuo

Sem falar naquelas semanas em que nada nessa carreira de músico autoral no brasil parece dar certo e aí você pensa que vai desistir e voltar para o seu emprego de carteira assinada e que sonhar grande assim foi uma loucura…illustra Para esses momentos, pessoas que passam diariamente a mesma luta que você são as melhores para lhe incentivar e te inspirar a continuar!

Gostou de entender melhor como estar em rede pode modificar toda a nossa cultura em prol do rock? Esse deve ser o pensamento de quem quer viver de música nos tempos de hoje, pois, mesmo que você não concorde, é para lá que o mundo está caminhando.

Comenta aqui embaixo se você participa de alguma rede forte e como isso influencia no seu trabalho!

Se você ainda não participa de nenhuma, é só se inscrever no rockstartupfestival.com! Você e sua banda serão muito bem-vindos!

Grande Abraço!

Marcela do Rock Startup.

Padrão
Editorial

Do cover ao autoral: Systema Decadente viu no tributo aos ídolos uma inspiração

Essa turma de Juiz de Fora, cidade de Minas Gerais, começou a carreira musical como muitos: fazendo um tributo aos grandes ídolos que tinham no rock. Neste caso, estamos falando de System of a Down, uma das grandes preferências da banda.

Essa experiência se transformou na vontade de deixar uma marca própria, escrever o nome dos músicos na história e por isso começaram a compor, se transformando em uma banda de rock autoral.

A partir dessa vontade, lançaram dois faixas em um live session produzidos por eles: a “Abra os Olhos” e “Sistema Imbecil”, ambas de 2016. Porém, continuam ainda homenageando a boa música por meio de versões inéditas — já que para eles a “música é universal” e consideram sempre bem-vinda uma canção que tem algo a acrescentar.

Confira:

Os abridores de mente

O grande sonho da banda, que atualmente é composta por Mario Moreira (Guitarra), Helder Oliveira (Guitarra/Voz), Gustavo Rodrigues (Baixo), Thiago Souza (Voz) e Junior (Bateria), é que a suas composições seja ouvida. Para eles, a música é uma ferramenta que pode tirar as pessoas da alienação que estão fadadas a viver e eles buscam viver disso, viajar por tudo quanto é canto e conscientizar as pessoas.

Exatamente por ter essa pegada, os caras se auto intitulam “os abridores de mente”! Estamos realmente precisando de pessoas com esse propósito no mundo em que vivemos, não é verdade?

Essa foi um pouca da história da Systema Decadente e nós do Rock Startup agradecemos à banda por participar de nossa coluna esta semana!

Também acreditamos que nosso ídolos têm um grande valor em nossa construção pessoal, mas eles já escreveram a própria história e é isso que devemos buscar. Parabéns a vocês pela coragem de buscar esse caminho. Tamo junto!

Se você curtiu a proposta da banda e quer entrar em contato é só visitar os principais links deles:

Facebook: https://www.facebook.com/systemadecadente/

Instagram: https://www.instagram.com/systemadecadente/

YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCdee2d0-Ahz5muxwHYhGtqQ

E-mail:

Systemadecadente@gmail.com

Telefone:

(32) 99176-1801 – Thiago

(32) 98431-7726 – Helder

Padrão